Óleo de Primula auxilia TPM e equilibrio hormonal

Prímula é o nome da planta da espécie Oenothera biennis. Nativa da América do Norte, que atinge em torno de 1 metro de altura e produz flores amarelas. O óleo de prímula é obtido das sementes dessa planta e muito rico em um tipo de ácido graxo essencial da família do Ômega-6 denomidado ácido gama-linoleico, reconhecidamente benéfico para a saúde.

Nome científico: Oenothera biennis.

Nomes populares: prímula, onográcea e estrela-da-tarde ou ‘evening primrose’ (nome originado do fato de suas flores abrirem-se ao entardecer). Na França é conhecida como onagre.

Origem: América do Norte.

Detalhes: Da América do Norte a planta foi levada para a Inglaterra em 1619, onde ficou conhecida como “King’s Cure-all”. Seu cultivo expandiu-se pela Europa e Ásia, mas não há cultivo no Brasil. É uma planta herbácea anual ou bianual, de caule robusto, folhas largas e longas, flores grandes e amarelas. O fruto é uma cápsula que contém numerosas sementes.

Composição química: Ácido gamalinolênico (GLA), fitosterol, onoterina, taninos, compostos flavônicos, mucilagens, ácido palmítico, ácido esteárico, ácido oléico, beta-sistosterol e citrstadieno.

Nativa da América do Norte, foi introduzida na Europa no século XVII como planta ornamental. Os índios americanos usavam a planta como alimento, faziam também extratos ou infusões adstringentes e sedativas.
Propaga-se no período da primavera e princípio do verão. A exposição ao sol deve ser plena, a adubação é feita com esterco curtido de animal, húmus ou matéria orgânica, incorporados a 30cm de profundidade. Quanto à colheita, apanhar as sementes maduras.

Da prímula é extraído o óleo de prímula. Pelo fato deste óleo ser constituído por inúmeros tipos de ácidos graxos, atribui-se a ele diversas propriedades farmacológicas.
Os ácidos graxos insaturados presentes no óleo são responsáveis por várias funções no organismo, principalmente a de precursores das prostaglandinas.
O ácido linolênico, um dos principais constituintes do óleo, é um intermediário na síntese das prostaglandinas em especial a E1 que regula os hormônios sexuais femininos, também ajuda a manter a elasticidade e controla a oleosidade da pele, intervém nos mecanismos vasodilatadores e inibe a agregação plaquetária. Atua na síndrome da hiperatividade infantil, a nível de serotoninas cerebrais, normalizando-as.
A deficiência ou ausência de precursores das prostaglandinas conduzem a distúrbios que levam ao envelhecimento ou ressecamento da pele, distúrbios cardiovasculares, hipertensão e colesterolemia.
Poucos alimentos são fornecedores diretos de ácidos graxos insaturados em quantidades suficientes para produzir esses precursores.
O óleo de prímula é um agente ideal como fonte de ácido gama linolênico, reduz a perda de água através da pele, aumenta a tolerância à exposição dos raios ultra-violeta, melhorando a integridade, elasticidade e flexibilidade das membranas celulares.
O ácido gama linolênico é essencial na síntese das prostaglandinas, e sua reposição é necessária quando a enzima delta-6-desaturase está inativa, sendo sua deficiência a causa primária de alterações metabólicas.
O óleo de prímula, devido a sua constituição, ameniza a carência de ácidos graxos insaturados, quando a dieta alimentar é deficiente. Da prímula também se aproveitam a raiz , as folhas, flores e caule.
Em relação a raiz, devido as mucilagens presentes em sua composição ocorre uma ação emoliente. As flores, folhas e caule são utilizados como sedativos da tosse, bem como ajudarem na estimulação sangüínea e serem importantes nutrientes capilares e tópicos.

Prímula – Uma flor para afastar a TPM

O óleo de prímula vem sendo estudado para tratar de diversos problemas de saúde, entre eles destaca-se seu uso para aliviar os sintomas da tensão pré-menstrual (TPM) nas mulheres. Outras indicações para seu uso (via oral) incluem casos de eczema e outras irritações da pele, sendo que diversos estudos comprovam a eficiência do óleo de prímula nessas situações.

O óleo das sementes da Oenothera biennis, uma flor conhecida popularmente como prímula ou estrela-da-tarde, está sendo apontado como um excelente remédio para acabar com os transtornos que algumas mulheres experimentam no período que antecede a menstruação – a chamada tensão pré-menstrual (TPM).

A Oenothera biennis não deve ser confundida com a ornamental Primula obconica, também conhecida popularmente como prímula. A planta, originária da América do Norte, já era utilizada pelos índios americanos para evitar infecções nos ferimentos e, agora, está sendo considerada um dos melhores recursos da fitoterapia para combater a tensão pré-menstrual, responsável pelas súbitas mudanças de humor e dores no corpo relacionadas a este transtorno que atinge cerca de 35% da porção feminina do planeta.

A eficiência da planta foi confirmada na última Conferência Anual da Associação Americana de Farmácia. Um estudo do Centro de Medicina Integrada Cedars-Sinai, da Califórnia, avaliou o uso do fitoterápico em 68 mulheres que se queixam do distúrbio. No fim de três meses, 61% delas tiveram desaparecimento total dos sintomas e em 23% dos casos houve melhora parcial. Apenas em 16% das pacientes nenhum afeito foi percebido.

Equilíbrio Hormonal

O segredo do óleo da prímula está nos ácidos graxos poliinsaturados, presentes na sua composição, que não são produzidos naturalmente pelo organismo e precisam ser obtidos na dieta. Deles o mais importante é o chamado ácido gamalinolênico (GLA). Além de fazer parte da estrutura das membranas celulares, o GLA origina a prostaglandina E1, uma substância que ajuda a equilibrar os hormônios femininos, diminuindo os impactos da TPM, afirmam os pesquisadores.

Nas refeições, esses ácidos graxos essenciais podem ser obtidos de certos óleos, como o de soja e o de girassol, ou extraídos da sardinha, do salmão e dos peixes em geral.

A carência de ácidos graxos essenciais pode acarretar, além da síndrome pré-menstrual, distúrbios como eczema atópico, envelhecimento precoce, esclerose múltipla, hiperatividade infantil e hipertensão arterial.

Os precursores de prostaglandinas, principalmente o ácido gamalinolêico, influenciam na regulação de hormônios sexuais femininos, mantém a elasticidade da pele, controlam a oleosidade e influenciam na liberação de neurotransmissores cerebrais.

Benefícios do Óleo de Prímula para a saúde

Atribui-se ao óleo de prímula diversos benefícios à saúde, com aplicações para: artrite reumatóide, dor no peito, eczema, diabetes, alívio dos sintomas da tensão pré-menstrual, etc. Um pequeno estudo indicou que suplementação com óleo de prímula reduziu a quantidade de LDL, o colesterol ruim.

- Ajuda na regulação da inflamação, agregação plaquetária e tônus vascular.

- Inibe a síntese do colesterol, controla a pressão sangüínea e ativa os Linfócitos.

- Atenua os sintomas da tensão pré-menstrual.

- Mantém a pele saudável e hidratada, evitando o envelhecimento ou ressecamento da pele.

- Atua na regulação da temperatura corporal, no gasto de energia do organismo e outras atividades. A deficiência destes ácidos causa diversos distúrbios orgânicos, entre eles baixa imunidade, transtornos sexuais e de crescimento.

- Poucos alimentos são fornecedores dessas substâncias em quantidade suficiente.

- O óleo de prímula é um agente ideal como fornecedor de GLA e LA.

Um aporte regular do óleo de prímula oferece ao organismo elementos construtivos essenciais para o mecanismo de auto-regulação hormonal, e contribui para o seu bom funcionamento e bem estar, especialmente na velhice, ou no envelhecimento prematuro provocado por certas enfermidades. Até para combater a anorexia o consumo do óleo de prímula vem sendo estimulado.
Alguns estudos envolvendo as propriedades anti-inflamatórias do óleo de prímula, com algumas pessoas sofrendo de artrite reumática resultaram em benefício significativo. Outras indicações para o uso de óleo de prímula incluem casos de cirrose descompensada, neuropatias diabéticas, tensão pré-menstrual (TPM) e esquizofrenia (coadjuvante).

Diana Vieira de Senne e Costa

Fontes consultadas:

http://www.saudecominteligencia.com.br/primula.htm

http://www.ednatureza.com.br/primula.htm

About these ads

7 responses to this post.

  1. Posted by joelma on 17/01/2011 at 7:25 PM

    Como e quando fazer uso do óleo de prímula para combater a irritabilidade do período da TPM?
    Deve-se tomar todos os dias do mês ou por determinado período do ciclo menstrual?

    Responder

  2. alÍvio para TPM!

    Responder

  3. muito bom o artigo,, e seu que os beneficios do oleo de primula sao reais.

    Responder

  4. Posted by RENATA A DE OLIVEIRA on 31/10/2011 at 7:42 PM

    sou uma pessoa magra ,faço de tudo para engordar,mas tenho uma TPM. Poço tomar o óleo de prímula sem preocupação? E não vai me emagrecer?

    Responder

  5. Posted by juh on 07/12/2011 at 9:04 PM

    onde encontrar a legitima

    Responder

  6. Posted by Fabiane Tramm on 02/01/2012 at 7:14 PM

    Como e quando fazer uso do óleo de prímula para combater a irritabilidade do período da TPM?
    Deve-se tomar todos os dias do mês ou por determinado período do ciclo menstrual?

    Responder

  7. Posted by telma on 25/02/2012 at 3:32 PM

    so tem um mes que estou tomando o oleo de primula, mas ja estou sentindo a diferencia nos dias da menstruaçao, foi indicaçao da minha acuputuurista na belgica, e de acordo com ela vc pode tomar sempre..

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: