Você é o que você come

Qual a diferença entre um esquilo e uma ratazana?

rto x esquilo

Você já notou o quanto estes animais são semelhantes?

Ambos são mamíferos roedores, porém enquanto o esquilo é um animal arborícola, tendo as sementes e frutas como principal fonte de alimentação, o rato é um roedor que vive de restos de alimentos e lixo. Os esquilos quando coletam alimento, enterram algumas sementes que encontram dando origem assim a árvores como araucária e jerivá. Já os ratos disseminam sujeira e doenças, como a leptospirose.

Além de transmitir doenças graves, a presença de ratos em determinado ambiente é sinônimo de sujeira, podridão e doença. Estes animais são considerados pragas de alto perigo biológico. Vivem em sua maioria entre esgotos e lixões.

Estes dois animais, de mesma ordem na classificação biológica (roedores), possuem presas fortíssimas, com que roem com facilidade seus alimentos. Bom, se eles possuem o mesmo tipo de presas, porque os ratos optam pela alimentação “nojenta” e os esquilos optam pelo alimento saudável? Será que o tipo de alimentação destes animais intefere na aparência ou qualidade de vida deles?

Bom, tecnicamente não podemos dizer que sim, pois estes animais, apesar de possuírem mesma ordem no reino animal, possuem família e espécies diferentes. Mas digamos que roedores “são todos iguais” assim como nós humanos somos iguais, será que a alimentação interfere em nossa saúde?

Bem, nos últimos tempos, contar com uma alimentação balanceada deixou de ser apenas um hábito saudável e se tornou essencial para a manutenção do bom funcionamento do organismo, bem como passou a ser uma das mais importantes ferramentas de prevenção de doenças. Diante disso, nossa alimentação passou a ser o reflexo da nossa saúde.

Uma alimentação balanceada sempre foi apontada como importante para a manutenção da saúde. No entanto, nas últimas décadas, com o aumento do consumo de fast food e o advento de epidemias como a obesidade, uma dieta regrada deixou de ser apenas um hábito saudável e se tornou algo essencial para evitar doenças decorrentes da vida moderna. Hoje, somos reflexo daquilo que comemos. Por isso dizer “você é o que você come” não é apenas um trocadilho, é sim uma verdade incontestável.

Você já parou para pensar porque o índice de câncer aumentou tanto nas últimas décadas? Será que o aumento de alimentos processados, prontos para o consumo, congelados e contendo diversos aditivos químicos artificiais não teria a ver com isto? Sem contar pelo aumento do uso de insumos químicos e agrotóxicos nas plantações após a conhecida “Revolução Verde” ocorrida ao final da segunda guerra mundial. Estes fatores em conjunto, nos proporcionaram uma vida de conforto, afinal de contas, não é mais necessário processarmos o trigo para fazer uma massa de lasanha, podemos simplesmente comprar uma lasanha congelada e apenas gastarmos nossas energias para apertar os botões do microondas.

O conforto na produção de alimentos, associado ao próprio conforto que obtivemos após a revolução industrial no início do século IXX, chegamos a uma geração em que a obesidade cresce cada dia mais, não tendo preconceitos quanto a classe social, cor ou idade.

Nossa, o consumo de alimentos gerou câncer, obesidade.. sem contar com as doenças como diabetes, hipertensão, dentre outras que têm aumentado nos últimos anos.

Expondo desta maneira fica parecendo que os alimentos são os vilões da vez, e não é neste ponto que queremos chegar. Afinal de contas, nos PRECISAMOS de alimentos para viver!

Os alimentos não são os vilões, mas sim os heróis! (Desde que consumidos de maneira correta e balanceada).

Mas como assim?? Os alimentos quando consumidos de forma balanceada eles deixam de conter os insumos químicos adicionados? Ou a absorção destes insumos pelo organismo humano é dificultado? E quanto aos agrotóxicos, não temos outra solução! Se não os usarmos as plantações seriam perdidas pelo ataque de pragas!!!!

Os alimentos devem ser consumidos de forma balanceada para que possamos suprir nossas necessidades básicas diárias. Necessitamos de energia, não só para exercer funções como trabalhar, andar, correr, etc. Nosso organismo precisa de energia para exercer suas funções fisiológicas, como fazer o coração bater, o sangue circular, uma perna mexer e o cérebro raciocinar.

Uma alimentação balanceada, juntamente com a prática de exercícios físicos, nos proporciona energia, saúde, disposição, bem-estar e, principalmente, VIDA.

Mas e o problema com os insumos químicos e agrotóxicos?

Bom, infelizmente grande parte da população não têm conhecimento sobre alimentos orgânicos. Alimentos orgânicos são alimentos cultivados de forma sustentável, não prejudicando o meio ambiente. Nestes não são utilizados insumos químicos, como os agrotóxicos; Na terra onde são plantados, não são utilizados adubos químicos ou fertilizantes; As plantas não são “forçadas” a gerar mais frutos do que o que elas devem gerar e sua composição química não são alteradas pela impaciência do ser humano em esperar a safra da maça ou da laranja. Ou seja, alimentos orgânicos são alimentos gerados como nos primórdios da humanidade, com respeito pelo meio ambiente, retirando da natureza seus benefícios porém retornando-os posteriormente através da compostagem, originando assim uma relação saudável e sustentável.

Além dos benefícios para o meio ambiente, os alimentos orgânicos beneficiam também os consumidores.

Muitos alimentos, conhecidos como alimentos funcionais, melhoram a saúde dos indivíduos que o consomem devido as propriedades que estes alimentos possuem. Estas propriedades auxiliam na prevenção de doenças em nosso organismo.

Exemplo: Aveia. Alimento considerado funcional pelo seu alto poder benéfico de sua fibra solúvel, que está relacionada a um bom funcionamento intestinal, à diminuição do colesterol total e LDL-colesterol e manutenção de níveis adequados dos mesmos, prevenindo assim doenças do coração.

Bom, seguindo o exemplo da aveia. Este cereal nos auxilia na prevenção de doenças do coração, sendo assim eu posso consumi-la e obter este benefício, sendo a aveia orgânica ou não, certo!??

Certo! ……… Certo?

Bom, teoricamente sim. Porém…… existe um PORÉM!

As propriedades funcionais, compostos ativos, benefícios, etc, de um alimento, estão relacionados com a composição química daquele alimento. Se existe composto químico artificial (agrotóxico) no alimento esse certamente irá reagir com os compostos químicos NATURAIS do alimento.

Desta maneira podemos dizer que os alimentos convencionais e orgânicos possuem a mesma composição nutricional, porém ao consumir o alimento orgânico o organismo promove uma maior absorção dos nutrientes como vitaminas, minerais e, principalmente, as propriedades funcionais daquele alimento. Além disto, não há o risco dos compostos químicos adicionados intencionalmente nos alimentos de agricultura convencional, interagir com compostos químicos do nosso próprio organismo, gerando assim doenças que podem nos levar a morte.

Concluindo: você É o que você come!!!

Por isto, tente agir como um esquilo e não como um rato! Alimente-se bem e de forma equilibrada. Evite alimentos de alto teor de sal, açúcares e gorduras.

Evite a comodidade e praticidade dos alimentos extremamente processados e alimentos congelados. Prefira comprar os ingredientes separadamente e preparar o alimento você mesmo. Com certeza a refeição não ficará somente mais gostosa, mas também mais saudável e nutritiva!

Faça sua alimentação se tornar um forte aliado na prevenção de doenças e não a torne um inimigo da sua saúde.

E lembre-se: sempre existe a opção de melhorar ainda mais sua dieta com o consumo de alimentos orgânicos!

Obs: além de boa alimentação, a prática de exercícios físicos regularmente é crucial para uma vida saudável!

Diana V S Costa

Eles nutrem e previnem doenças
Incorporados à rotina diária de alimentação, esses alimentos não só nutrem o organismo como também ajudam a prevenir doenças.

FUNÇÃO NO ORGANISMO

ALIMENTOS

Prevenir contra o câncer Tomate, papaia, pitanga, goiaba vermelha, brócolis, couve-flor, limão, pomelo, champignon, grapefruit, laranja, tangerina e própolis.
Reduzir o colesterol Uva, beterraba, ameixa, berinjela, champignon Shiitake, tamarindo, óleo de amendoim, aveia, alho, cebola, soja, grãos integrais, salsinha, frutas em geral e verduras.
Melhorar a flora intestinal Banana, batata, alcachofra e alimentos obtidos pela fermentação do leite.
Amenizar os efeitos da menopausa Feijões em geral, salsinha, soja e seus derivados.

Fontes consultadas

Revista Viver Nutrilite (Ano 2, Número 6, Dezembro de 2005, páginas 14, 15 e 16)

Site Wikipédia: http://pt.wikipedia.org/

Para controlar seu peso – dicas práticas e naturais

Diana Vieira, divulgando:

Foto de mulher com calças frouxas

Primeiros passos: se desintoxicar. Seu organismo reagirá melhor a qualquer dieta livre de toxinas acumuladas. livre-se dos radicais livres e tenha por perto um bom nutricionista.

Matenha-se ativo. Peça orientação ao seu médico e inicie um programa de atividades físicas. Procure se exercitar todos os dias, assim você força seu organismo a queimar as gorduras acumuladas. Pense de forma positiva. Escolha uma refeição balanceada. Adote um plano alimentar para reduzir as calorias e, principalmente, corte o excesso de gorduras encontradas nos alimentos de origem animal e nos doces. Faça pequenas refeições ao longo do dia, evite a fome e a comilança numa única vez.

Não devemos comer muito à noite, se possível lanches leves. Experimente um copo de gelatina hidrolisada diluída em água antes de dormir, isto manterá sua aparência mais suave.

Coma pelo menos cinco porções de frutas e vegetais (cereais, verduras e legumes) por dia. Eles fornecem vitaminas, minerais, oligoelementos e fibras alimentares. Têm menos calorias, ajudam a saciar a fome e são ricos em fibras que combatem o mau colesterol no sangue e estimulam o funcionamento intestinal.

Faça da refeição um momento de prazer.
Coma devagar e mastigue completamente a cada porção de comida e desfrute de seu alimento. Bebidas alcoólicas, refrigerantes e sucos são muito calóricos. Castanhas, frituras, azeitonas e pãezinhos-com-patê também. Portanto, é bom moderar. Peça saladas, cenoura, pepino ou picles para acompanhar o papo no bar. E nunca vá a uma festa de estômago vazio. Antes de sair, prepare uma boa salada ou um lanche leve e beba bastante água.

Relaxe e descubra novos meios de lidar com as tensões do dia-a-dia. Durma cerca de oito horas (sono de boa qualidade). Monitore o peso evitando que quilinhos extras se multipliquem, tornando-se problemas de saúde difíceis de combater.

Assuma a responsabilidade pela sua nutrição diária – inclua suplementos nutricionais para assegurar que os nutrientes essenciais estejam em abundância em sua dieta. Consulte um nutricionista.

Se ainda assim nada disso resolver, então vale tentar a Caralluma Fimbriata:

A Caralluma Fimbriata, consiste em uma grande planta suculenta encontrada na selva da África, nas Ilhas Canárias, Índia, Arábia, Europa e Afeganistão. Estas plantas podem crescer ao ar livre, nas partes mais mornas e mais secas do norte da América, ou em estufas e jardins de janela.

Ela já foi usada também como uma comida portátil para caçar. É usada para suprimir fome e apetite e aumentar a resistência. Em outros momentos, tmbém foi considerada como “comida da escassez”, utilizada durante períodos de escassez para suprimir o apetite.

Caralluma Fimbriata é essencialmente um legume de uso diário na Índia tribal. É utilizada na alimentação em diversas formas. Cozida como um legume regular com temperos e sal, também é utilizada em conservas como molhos picantes e pepinos, além de ser comida até mesmo crua. Tribos indígenas mastigam pedaços grossos de Caralluma Fimbriata para reduzir a fome em um dia de caça. Este suculento legume é usado entre as classes de trabalho no sul da Índia para suprimir o apetite e aumentar a resistência.

Foto da caralluma fimbriata

Caralluma Fimbriata é indicada nos tratamentos para emagrecimento, para diminuir o açúcar no sangue e inibir o apetite.

Acredita-se que Caralluma Fimbriata bloqueia a atividade de várias enzinas que formam blocos de gordura, forçando reservas gordas a serem queimadas.

Também acredita-se que Caralluma Fimbriata aja no mecanismo de controle de apetite do cérebro. Peritos notaram que não há nenhum efeito adverso ao usar Caralluma Fimbriata, e a planta não tem nenhuma toxicidade conhecida.

Concentrações recomendadas: 1grama ao dia antes das refeições ou conforme orientação médica.

Precauções: Não consumir este produto em caso de gravidez ou amamentação. Pessoas com qualquer problema de saúde devem consultar seu médico antes de consumir o produto.

A Caralluma Fimbriata é encontradas em farmácias de manipulação. O verão está aí, comece a emagrecer!


Saiba mais:

Extrato de Cacto emagrece e reduz apetite em homens e mulheres com sobrepeso.

Caralluma Fimbriata é uma espécie de cacto encontrada naturalmente na região da África, Índia, Arábia, sul da Europa e Afeganistão. Essa planta é conhecida na Índia pelo nome “famine food”, comida da fome, pois foi utilizada pelos povos nativos dessa região por séculos como supressor do apetite e da sede.


Caralluma Fimbriata

* Reduz significativamente a circunferência da cintura;

* Promove sensação de saciedade, diminuindo a fome;

* Auxilia na redução do peso corpóreo, sendo benéfico no tratamento da obesidade.

Caralluma Fimbriata: extrato seco, deve ser administrada na forma de cápsulas contendo 500mg do extrato 30 minutos antes das principais refeições.

Onde encontrar: farmácias de manipulação

Fonte: http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal85/nutricao_caralluma.aspx

Estádios da Copa de 2014 terão que se adequar a selos verdes

vivaldao-manaus
Futuro Vivaldão, em Manaus, com espaço para 60 mil torcedores/Foto: Divulgação

Estádios em construção para a copa de 2014 que quiserem apoio financeiro do BNDES terão que atender exigências ambientais do Ministério do Esporte.

Os requisitos básicos para o uso de financiamento do banco são aproveitamento da água de chuva nos banheiros e nos gramados, coleta seletiva de lixo, otimização da ventilação e da iluminação naturais, reciclagem do material de demolição e uso de biocombustíveis.

Até o momento, quatro dos 12 estados que sediarão o Mundial já procuraram o BNDES: Amazonas, Bahia, Ceará e Mato Grosso. Cada um pode conseguir até 400 milhões de reais em financiamento, mas terão que apresentar certificados ambientais reconhecidos internacionalmente.

Segundo matéria da Folha On line, arquitetos responsáveis pelos projetos do mundial afirmam que a médio e longo prazos o investimento é compensado. Principalmente no uso de energia limpa dos poainéis fotovoltaicos.

O estádio de Belo Horizonte (MG), por exemplo, venderá para a energia solar produzida para a Ceming (Companhia Energética de Minas Gerais), e nos dias de jogos consumirá energia sem pagar pelo serviço à companhia.

Mas para ganhar os selos ambientais, as obras devem ser acompanhadas pelas agências desde o início da construção. Já que para a obtenção do certificado é preciso levar em consideração a escolha e até mesmo o transporte do material.

Os estádios devem custar mais caro

Os valores das construções dos estádios geralmente são superiores aos feitos sem levar em consideração a pegada de carbono. O estádio de Manaus, por exemplo, deve custar cerca de R$ 50 milhões a mais. Valor que terá retorno em sete a dez anos após as construções.

Os estádios de Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Manaus (AM) e Salvador (BA), segundo matéria da Folha, buscam o selo americano Leed. O estádio de Natal (RN) ainda não informou que certificado irá requirir.

Fonte: http://blog.eco4planet.com/2010/06/estadios-da-copa-de-2014-terao-que-se-adequar-a-selos-verdes/

Ministério Federal de Educação e Pesquisa da Alemanha apresenta Fórum “Green Talents” para jovens cientistas

Diana V S Costa divulgando:

Ministério Federal de Educação e Pesquisa da Alemanha apresenta Fórum “Green Talents” para jovens cientistas

Qui, 13/Mai/2010

green_talentsSão Paulo, maio de 2010 – O Ministério Federal Alemão da Educação e Pesquisa (BMBF) convida  jovens cientistas de todo o mundo, especializados na área do desenvolvimento sustentável, para participarem da segunda edição do concurso “Green Talents – Fórum Internacional para Grandes Potenciais no Desenvolvimento Sustentável”.

Com o apoio da professora Annette Schavan, Ministra Federal Alemã da Educação e Pesquisa, o concurso vai dar a 15 excepcionais cientistas a oportunidade de se reunirem e trocarem opiniões com os maiores especialistas na Alemanha. Os vencedores participarão de um fórum internacional de 10 dias sobre ciência, que será realizado na primavera de 2010. Neste encontro, será dada atenção especial ao “Ano da Ciência 2010 – O Futuro da Energia”, anunciado pelo BMBF face à importância global deste tema.

Os “Green Talents” visitarão universidades líderes, instituições de pesquisa e empresas ativas no campo do desenvolvimento sustentável para reunir informação específica sobre atividades de pesquisa e conhecer oportunidades para cooperação com parceiros alemães. O fórum também contará com reuniões individuais com especialistas, uma oportunidade para os “Green Talents” apresentarem as suas próprias pesquisas, com diversos eventos culturais e com a cerimônia de entrega do prémio no Fórum “Investigação para Desenvolvimento Sustentável” (FONA) do BMBF em Berlim.Durante o ano, após a participação no “Green Talents Fórum”, os vencedores da competição serão convidados a voltar à Alemanha para uma estadia para pesquisa adicional (até três meses). O financiamento será proporcionado pelo BMBF.

A Alemanha procura ter responsabilidade global na promoção de um desenvolvimento sustentável. O poder inovador do país nesta área torna-o um forte parceiro de Pesquisa e Desenvolvimento para grupos de investigação internacionais, especialmente de países em desenvolvimento e mercados emergentes. Os pesquisadores alemães e de todo o mundo já se beneficiam com diversas colaborações ativas, e o Governo Federal Alemão pretende aumentar esta troca de conhecimento, especialmente com jovens cientistas. Por este motivo, o BMBF lançou o concurso internacional “Green Talents” em 2009.

Em 2009, três pesquisadores brasileiros, com 12 outros jovens cientistas de todo o mundo, venceram o concurso “Green Talents”: Dra. Juliana Aristéia de Lima (Universidade Estadual de Campinas), Antônio Carlos Caetano de Souza (Universidade Estadual Paulista) e Dr. Caetano Dorea (Universidade de Glasgow).

Os documentos de inscrição devem ser enviados para greentalents@dlr.de Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. até 20 de Junho de 2010.

Os trabalhos inscritos devem estar inseridos nos campos de:

• Produção mais limpa na indústria;

• Proteção do Clima e adaptação às alterações climáticas – eficiência em energia e redução de CO2;

• Material e eficiência dos recursos – gestão sustentável dos recursos;

• Gestão sustentável do uso da terra;

• Gestão de recursos hídricos;

• Inovações no setor de serviços relacionadas à sustentabilidade

e estratégias de sustentabilidade na elaboração das políticas empresariais e da sociedade.

A escolha dos vencedores será feita por um júri especializado, entre eles:

• Prof.: Reinhard Hüttl – Diretor Executivo Científico do GFZ German Research Centre for Geosciences, Potsdam, e presidente da German Academy of Science and Engineering (acatech);

• Profª.: Beate Jessel – Presidente da German Federal Agency for Nature Conservation;

• Profª.: Karin Lochte – Diretora do Alfred Wegener Institute for Polar and Marine Research (AWI), na Associação Helmholtz, Bremerhaven;

• Prof.: Hermann Requardt – Membro do Conselho de Administração da Siemens AG.

Para mais informações sobre o concurso e formas de participação, acesse o site “Green Talents”: www.greentalents.de

Óleo de Primula auxilia TPM e equilibrio hormonal

Prímula é o nome da planta da espécie Oenothera biennis. Nativa da América do Norte, que atinge em torno de 1 metro de altura e produz flores amarelas. O óleo de prímula é obtido das sementes dessa planta e muito rico em um tipo de ácido graxo essencial da família do Ômega-6 denomidado ácido gama-linoleico, reconhecidamente benéfico para a saúde.

Nome científico: Oenothera biennis.

Nomes populares: prímula, onográcea e estrela-da-tarde ou ‘evening primrose’ (nome originado do fato de suas flores abrirem-se ao entardecer). Na França é conhecida como onagre.

Origem: América do Norte.

Detalhes: Da América do Norte a planta foi levada para a Inglaterra em 1619, onde ficou conhecida como “King’s Cure-all”. Seu cultivo expandiu-se pela Europa e Ásia, mas não há cultivo no Brasil. É uma planta herbácea anual ou bianual, de caule robusto, folhas largas e longas, flores grandes e amarelas. O fruto é uma cápsula que contém numerosas sementes.

Composição química: Ácido gamalinolênico (GLA), fitosterol, onoterina, taninos, compostos flavônicos, mucilagens, ácido palmítico, ácido esteárico, ácido oléico, beta-sistosterol e citrstadieno.

Nativa da América do Norte, foi introduzida na Europa no século XVII como planta ornamental. Os índios americanos usavam a planta como alimento, faziam também extratos ou infusões adstringentes e sedativas.
Propaga-se no período da primavera e princípio do verão. A exposição ao sol deve ser plena, a adubação é feita com esterco curtido de animal, húmus ou matéria orgânica, incorporados a 30cm de profundidade. Quanto à colheita, apanhar as sementes maduras.

Da prímula é extraído o óleo de prímula. Pelo fato deste óleo ser constituído por inúmeros tipos de ácidos graxos, atribui-se a ele diversas propriedades farmacológicas.
Os ácidos graxos insaturados presentes no óleo são responsáveis por várias funções no organismo, principalmente a de precursores das prostaglandinas.
O ácido linolênico, um dos principais constituintes do óleo, é um intermediário na síntese das prostaglandinas em especial a E1 que regula os hormônios sexuais femininos, também ajuda a manter a elasticidade e controla a oleosidade da pele, intervém nos mecanismos vasodilatadores e inibe a agregação plaquetária. Atua na síndrome da hiperatividade infantil, a nível de serotoninas cerebrais, normalizando-as.
A deficiência ou ausência de precursores das prostaglandinas conduzem a distúrbios que levam ao envelhecimento ou ressecamento da pele, distúrbios cardiovasculares, hipertensão e colesterolemia.
Poucos alimentos são fornecedores diretos de ácidos graxos insaturados em quantidades suficientes para produzir esses precursores.
O óleo de prímula é um agente ideal como fonte de ácido gama linolênico, reduz a perda de água através da pele, aumenta a tolerância à exposição dos raios ultra-violeta, melhorando a integridade, elasticidade e flexibilidade das membranas celulares.
O ácido gama linolênico é essencial na síntese das prostaglandinas, e sua reposição é necessária quando a enzima delta-6-desaturase está inativa, sendo sua deficiência a causa primária de alterações metabólicas.
O óleo de prímula, devido a sua constituição, ameniza a carência de ácidos graxos insaturados, quando a dieta alimentar é deficiente. Da prímula também se aproveitam a raiz , as folhas, flores e caule.
Em relação a raiz, devido as mucilagens presentes em sua composição ocorre uma ação emoliente. As flores, folhas e caule são utilizados como sedativos da tosse, bem como ajudarem na estimulação sangüínea e serem importantes nutrientes capilares e tópicos.

Prímula – Uma flor para afastar a TPM

O óleo de prímula vem sendo estudado para tratar de diversos problemas de saúde, entre eles destaca-se seu uso para aliviar os sintomas da tensão pré-menstrual (TPM) nas mulheres. Outras indicações para seu uso (via oral) incluem casos de eczema e outras irritações da pele, sendo que diversos estudos comprovam a eficiência do óleo de prímula nessas situações.

O óleo das sementes da Oenothera biennis, uma flor conhecida popularmente como prímula ou estrela-da-tarde, está sendo apontado como um excelente remédio para acabar com os transtornos que algumas mulheres experimentam no período que antecede a menstruação – a chamada tensão pré-menstrual (TPM).

A Oenothera biennis não deve ser confundida com a ornamental Primula obconica, também conhecida popularmente como prímula. A planta, originária da América do Norte, já era utilizada pelos índios americanos para evitar infecções nos ferimentos e, agora, está sendo considerada um dos melhores recursos da fitoterapia para combater a tensão pré-menstrual, responsável pelas súbitas mudanças de humor e dores no corpo relacionadas a este transtorno que atinge cerca de 35% da porção feminina do planeta.

A eficiência da planta foi confirmada na última Conferência Anual da Associação Americana de Farmácia. Um estudo do Centro de Medicina Integrada Cedars-Sinai, da Califórnia, avaliou o uso do fitoterápico em 68 mulheres que se queixam do distúrbio. No fim de três meses, 61% delas tiveram desaparecimento total dos sintomas e em 23% dos casos houve melhora parcial. Apenas em 16% das pacientes nenhum afeito foi percebido.

Equilíbrio Hormonal

O segredo do óleo da prímula está nos ácidos graxos poliinsaturados, presentes na sua composição, que não são produzidos naturalmente pelo organismo e precisam ser obtidos na dieta. Deles o mais importante é o chamado ácido gamalinolênico (GLA). Além de fazer parte da estrutura das membranas celulares, o GLA origina a prostaglandina E1, uma substância que ajuda a equilibrar os hormônios femininos, diminuindo os impactos da TPM, afirmam os pesquisadores.

Nas refeições, esses ácidos graxos essenciais podem ser obtidos de certos óleos, como o de soja e o de girassol, ou extraídos da sardinha, do salmão e dos peixes em geral.

A carência de ácidos graxos essenciais pode acarretar, além da síndrome pré-menstrual, distúrbios como eczema atópico, envelhecimento precoce, esclerose múltipla, hiperatividade infantil e hipertensão arterial.

Os precursores de prostaglandinas, principalmente o ácido gamalinolêico, influenciam na regulação de hormônios sexuais femininos, mantém a elasticidade da pele, controlam a oleosidade e influenciam na liberação de neurotransmissores cerebrais.

Benefícios do Óleo de Prímula para a saúde

Atribui-se ao óleo de prímula diversos benefícios à saúde, com aplicações para: artrite reumatóide, dor no peito, eczema, diabetes, alívio dos sintomas da tensão pré-menstrual, etc. Um pequeno estudo indicou que suplementação com óleo de prímula reduziu a quantidade de LDL, o colesterol ruim.

– Ajuda na regulação da inflamação, agregação plaquetária e tônus vascular.

– Inibe a síntese do colesterol, controla a pressão sangüínea e ativa os Linfócitos.

– Atenua os sintomas da tensão pré-menstrual.

– Mantém a pele saudável e hidratada, evitando o envelhecimento ou ressecamento da pele.

– Atua na regulação da temperatura corporal, no gasto de energia do organismo e outras atividades. A deficiência destes ácidos causa diversos distúrbios orgânicos, entre eles baixa imunidade, transtornos sexuais e de crescimento.

– Poucos alimentos são fornecedores dessas substâncias em quantidade suficiente.

– O óleo de prímula é um agente ideal como fornecedor de GLA e LA.

Um aporte regular do óleo de prímula oferece ao organismo elementos construtivos essenciais para o mecanismo de auto-regulação hormonal, e contribui para o seu bom funcionamento e bem estar, especialmente na velhice, ou no envelhecimento prematuro provocado por certas enfermidades. Até para combater a anorexia o consumo do óleo de prímula vem sendo estimulado.
Alguns estudos envolvendo as propriedades anti-inflamatórias do óleo de prímula, com algumas pessoas sofrendo de artrite reumática resultaram em benefício significativo. Outras indicações para o uso de óleo de prímula incluem casos de cirrose descompensada, neuropatias diabéticas, tensão pré-menstrual (TPM) e esquizofrenia (coadjuvante).

Diana Vieira de Senne e Costa

Fontes consultadas:

http://www.saudecominteligencia.com.br/primula.htm

http://www.ednatureza.com.br/primula.htm

Planta da tequila ajuda Diabetes ??

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u723957.shtml

Planta da tequila pode ajudar a prevenir diabetes e osteoporose

da France Presse, no México

Um grupo de cientistas mexicanos investiga em ratos o uso das fructosanas, polissacarídeos abundantes no agave –a planta que, após destilada, produz a tequila–, na prevenção de diabetes e osteoporose, informou nesta terça-feira um centro de pesquisas estatal.

Divulgação
Agave, planta que produz a tequila, pode ajudar na prevenção de  diabetes e osteoporose
Agave, que produz a tequila, pode ajudar na prevenção de diabetes e osteoporose

“Os resultados sugerem que adotar uma dieta acrescida de fructosanas de agave evitaria a descalsificação e melhoraria significativamente a formação do tecido ósseo, prevenindo a osteoporose”, disse a jornalista Mercedes López, responsável pela pesquisa.

O consumo de fructosanas ajuda a aumentar o hormônio GLP-1 ou incretina, com o qual o corpo acelera a produção de insulina, cuja deficiência causa a diabetes, acrescentou a cientista.

López chefia a equipe que trabalha no departamento de biotecnologia de um centro de pesquisas do Instituto Politécnico Nacional (IPN) em Irapuato, Estado de Guanajuato (oeste).

Segundo ela, nos testes feitos com ratos, cuja dieta foi enriquecida com 10% de fructosanas obtidas do agave, foi detectado em semanas aumento de GLP-1 e redução de peso.

Os cientistas esperam fazer uma segunda etapa experimental com roedores para determinar a possibilidade de iniciar um teste em humanos.

López afirmou que a frutose do agave não passa para a tequila porque se perde no processo de fermentação.

Diana Vieira de Senne e Costa

Hotel dinamarquês tem esquema de “pedaladas” para gerar energia

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ambiente/ult10007u721169.shtml

da Reuters, em Copenhague

Um hotel dinamarquês lançou um esquema pioneiro de geração de eletricidade com pedaladas e espera que a ideia ganhe adesão em outros países.

O Crowne Plaza Copenhagen Towers, a 15 minutos de distância do centro da capital dinamarquesa e a cinco minutos do principal aeroporto da Escandinávia, instalou duas bicicletas ergométricas acopladas a geradores.

Os hóspedes serão convidados a exercitar-se nas bicicletas, e, se gerarem eletricidade suficiente, ganharão uma refeição gratuita.

Divulgação
Hotel dinamarquês oferece refeições em troca de pedaladas em  bicicleta ergométrica, para gerar energia para o estabelecimento
Hotel dinamarquês oferece refeições em troca de pedaladas em bicicleta ergométrica, para gerar energia para o estabelecimento

A partir de junho, os hóspedes poderão correr contra o sistema de painéis solares do hotel, que tem 366 apartamentos, em uma tentativa de gerar mais eletricidade que os painéis.

“Quem conseguir gerar 10 ou mais watts-hora de eletricidade para o hotel receberá uma refeição de cortesia, incentivando os hóspedes a ficar em forma, reduzir sua pegada de carbono e poupar eletricidade e dinheiro”, disse o hotel em comunicado.

Uma porta-voz do hotel, Frederikke Tommergaard, disse que a refeição de cortesia será oferecida apenas a hóspedes do hotel, e não visitantes não hospedados.

O valor da refeição –qualquer um dos pratos principais do restaurante do hotel ou do cardápio do bar no saguão –é de aproximadamente 240 coroas dinamarquesas (US$ 44), disse ela à Reuters.

As bicicletas ergométricas vão começar a funcionar em 19 de abril, e o plano é testar a ideia por um ano, com vistas a estendê-la a outros hoteis da rede Crowne Plaza, que integra o grupo InterContinental Hotels.

Diana V S Costa

Consumo de café X Diabetes

Diana V S Costa, divulgando:

Cafezinho após o almoço diminui risco de diabetes

JULLIANE SILVEIRA
da Folha de S.Paulo

Consumir ao menos uma xícara (125 ml) de café depois do almoço reduz os riscos de desenvolver diabetes tipo 2, aponta pesquisa desenvolvida por uma nutricionista da USP (Universidade de São Paulo). O trabalho foi publicado na revista “American Journal of Clinical Nutrition”.

A pesquisadora usou dados de um estudo francês que acompanha quase 70 mil mulheres com idades entre 41 e 72 anos desde 1990. Para relacionar o consumo de café das voluntárias e a menor incidência de diabetes, comparou dados de 1993 a 2007.

“O consumo de café já foi ligado ao efeito protetor contra o diabetes tipo 2 em outros trabalhos. A diferença desta pesquisa é que relacionamos os horários da ingestão”, explica a nutricionista Daniela Sartorelli, professora do Departamento de Medicina Social da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto, autora do estudo.

As mulheres que consumiram café após o almoço tiveram risco 34% menor de ter diabetes. A proteção não foi encontrada naquelas que tomaram café em outro momento.

No período estudado, 1.415 participantes desenvolveram a doença. Entre as pacientes que tomaram no mínimo 125 ml de café na hora do almoço, 374 se tornaram diabéticas. O restante delas (1.051) não ingeria a bebida nesse horário ou a consumia em quantidades inferiores.

Versões cafeinadas ou não, com ou sem açúcar apresentaram os mesmos benefícios. “Mas 60% delas consumiam sem açúcar e, quando o adicionavam, era em quantidade bem menor do que aqui no Brasil”, ressalta a nutricionista.

Segundo a pesquisadora, apesar de o estudo ter sido realizado somente com mulheres, provavelmente os resultados podem ser extrapolados para os homens, já que outros estudos que relacionaram café e diabetes foram realizadas com ambos os sexos. Ainda não é possível, no entanto, apontar por quais mecanismos a bebida protege contra a doença.

Para Sartorelli, uma possível explicação é a menor absorção de ferro causada pela ingestão da bebida. “Indivíduos com estoque de ferro aumentado têm risco maior de desenvolver diabetes. Esse fator poderia proteger a pessoa, se a maior quantidade de ferro for ingerida no almoço”, diz.

Quantidade

Estudos já publicados que relacionaram a menor incidência de mortalidade por diabetes entre bebedores de café apontam que as substâncias presentes na bebida melhoram a sensibilidade do organismo à insulina, hormônio responsável por facilitar a entrada da glicose nas células do corpo.

Essas substâncias também evitam a oxidação das células beta, localizadas no pâncreas, que são responsáveis por produzir o hormônio.

“Os trabalhos já divulgados sugerem que o mais importante é a quantidade de café ingerida, e não o horário de consumo”, diz o cardiologista Luiz Antônio Machado César, do InCor (Instituto do Coração), onde pesquisa sobre café e problemas cardiovasculares.

Recomenda-se beber ao menos duas xícaras de 150 ml para obter benefícios. Mas a indicação da bebida para prevenir o diabetes ainda não pode ser usada na prática médica.

“Não creio que o consumo de café, isoladamente, seja capaz de promover benefícios clínicos significantes em termos de impacto populacional”, contrapõe Augusto Pimazoni, coordenador do Grupo de Educação e Controle do Diabetes do Hospital do Rim e Hipertensão da Unifesp e do Centro de Diabetes do hospital Oswaldo Cruz.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u715113.shtml

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.